Tags

,

Isabel Cristina

Isabel Cristina Silva Vargas, filha de Paulo Coimbra Soares da Silva e Carmen Esteves Soares da Silva, casada com Francisco, mãe de Ângela, Francine, Márcia e Roberto (menino-homem-anjo) que hoje habita junto ao SENHOR e avó de Marina.
Formação no Magistério, em Direito, Licenciatura em Direito e Legislação e Legislação Aplicada, Capacitação em Direitos Humanos, Pós-Graduação em Sociologia, Especialista em Linguagens Verbais, Visuais e suas Tecnologias. Formada em Inglês e Italiano. Trabalhou vários anos como professora, depois fez concurso para o serviço público federal onde trabalhou até a aposentadoria. Fez 01 ano de Oficina Literária. Publicou mais de 200 crônicas no Diário da Manhã-Pelotas-RS e em outros jornais . Já teve textos publicados no Jornal A Página em Portugal, além de outros sites, em seu blog na internet, além de publicações em Coletâneas e Antologias. Primeiro Lugar em conto no concurso internacional Florada de Emoções II, promovido pelo site Celeiro de Escritores.org, segundo lugar em crônicas e terceiro lugar em poesia. Vinculada às entidades de classe como OAB/RS, SINAIT, AGITRA, ABMCJ.
Já participou de cerca de 70 publicações.
Participa do Clube Brasileiro da Língua Portuguesa-BH-MG, Brasil, membro da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores –B.Camboriú-SC, membro da Associação Internacional Poetas del Mundo, participa do Projeto Stephanos e integra o Conselho de Colaboradores do Site http://clicrbs.com.br/pelotas. Tem trabalho acadêmico publicado na Biblioteca on Line de Comunicação em Portugal: http://bocc.ubi.pt/pag/bocc-lima-publi.pdf e republicado pela Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.
Participou da Antologia Literária Cidade IV,V,VI, Agenda 2011, e outros em andamento.

Editora: Há quantos anos você escreve? A que gêneros literários você se dedica? Há quantos anos você publica em livros (coletâneas e antologias)? Se você tem livros solo, quantos você já publicou e quantos estão aguardando a prensa?
Isabel Cristina: Acredito que escrever está muito relacionado com a leitura. Sempre li muito, desde a época escolar. Quando comecei a escrever e me atrevi a publicar, o fiz relacionado com minha profissão. Escrevi artigos sobre Legislação Trabalhista que foram publicados no Jornal Diário da Manhã de Pelotas, na década de 90.
Posteriormente, em 2004, passei a escrever crônicas que também foram publicadas no Diário da Manhã. Algumas em outro jornal local e também publiquei alguns textos na Zero Hora na internet. Desde então tenho escrito sempre.
Fiz uma oficina de narrativa, além de uma outra oficina literária durante um ano. Atualmente escrevo crônicas, contos e poesias. Mas, o que mais escrevi até hoje são crônicas.
Creio que a preferência pela crônica se deve ao fato de ter sido ávida leitora de Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino, Drummond, e Bandeira, mestres inigualáveis.
Também é uma forma de olharmos para nosso interior, nos confrontarmos e posicionarmos em uma realidade tão fugidia e efêmera. Eternizamos o cotidiano de nossa “aldeia”. Como resultado, identificação e atemporalidade.
Em livros, comecei a publicar bem mais tarde. Foi em final de 2008 que recebi dois convites.Um para Agenda Literária 2009 (Celeiro de Escritores) e outro para Reflexões para Bem Viver da Editora Scortecci.. Creio que os convites surgiram pelo volume de reprodução de meus textos publicados na internet. A partir daí não parei mais de publicar. Tenho textos publicados pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Editora Komedi, no Projeto Delicatta, na Antologia Cidade, hoje, Editora Literacidade. Posso dizer que incluindo as edições em andamento, o volume de publicações chega a 80.

Editora: Com a internet fala-se muito em fim do livro em papel. Por que então ainda publicar livros neste formato?
Isabel Cristina: Embora o mundo gire em torno da internet, o que é algo irreversível, ágil, fantástico, não acredito no fim do livro impresso. A era digital veio facilitar o acesso à publicação. Ampliou, incluiu e democratizou o acesso às editoras para todos os que se dedicam a escrever. A intimidade com o livro, o gosto pelo manuseio, o “glamour” da obra impressa não será substituído. Podemos dizer que aprimorou a qualidade visual e gráfica da obra, visando, inclusive proteção do meio ambiente e sustentabilidade.

Editora: Como você soube da Antologia Literária Cidade? De quantos volumes você participou até o momento? Qual a recepção que você teve do livro em si e dos textos lá publicados?
Isabel Cristina: A Antologia Cidade foi mais um presente que recebi, ao ser convidada para publicar. Participei dos volumes IV, V, VI e da Agenda Literária 2011. Gostei tanto que já estou no projeto do Volume VII, no Projeto 100 poemas, 100 poetas, e ter recebido o especial convite para participar de Cantos de Hoje e Contos de Hoje.

Editora: Publicar em antologias e coletâneas como a nossa oferecem ao autor algum reconhecimento? Ajuda na divulgação de seu trabalho? Você já obteve algum retorno após participar de antologias e coletâneas cooperativadas?
Isabel Cristina: Participar das Antologias, pela credibilidade de quem as organiza, credencia quem escreve. A avaliação de todos que receberam os volumes nos quais participei sempre foi muito positiva. Ajuda na divulgação do trabalho e qualifica-o.

Editora: O fato da Antologia Literária Cidade ser publicada e distribuída na Região Norte, na Amazônia, tem algum sentido especial para o autor? Confere uma notoriedade diferenciada em relação às coletâneas e antologias publicadas na região sul-sudeste?
Isabel Cristina: Acredito que participar da Antologia Cidade, produzida tão distante de nós do sul, o que sem dúvida ocorreu em função da agilidade proporcionada pela internet, serve para aproximar os diferentes tipos deste imenso país, oportunizando ao leitor uma diversidade de linguagem, de textos seja em prosa ou poesia.
Como a obra é distribuída na região, que é um mercado diferente daqueles centralizadores do poder editorial, como o eixo Rio -São Paulo, a obra torna-se mais acessível ao mercado regional (Região Norte-Nordeste) levando até este público leitor uma gama diversificada de autores de outras regiões,que se não fosse a facilidade da comunicação da Era digital, certamente, não estariam publicando, pela elevação de custos e dificuldade de acesso .A obra seria mais regional do que na atualidade.
A vantagem para quem escreve e publica é o alargamento da faixa de leitores.

Contatos com a autora: icsvargas@gmail.com
Para conhecer seus trabalhos:
Site: www.isabelcsvargas.com
Blog
:
www.icsvargas.bloguepessoal.com

entrevistas

Clique no banner para acessar o índice de entrevistas!

Anúncios